Economia

Juros: cartão, 12,80% ao mês; cheque, 12,14%

Taxa básica de juros cai a 7%. População, porém, ainda não sente a redução. Novo sistema de governo em debate. Governador de Minas vira réu por corrupção e fica no cargo. Bobagem policial. Decisão de Trump sobre Jerusalém isola os EUA etc.

<b>Reprodução</b> Juros continuam altos para o consumidor
Reprodução Juros continuam altos para o consumidor
Por Folha de S. Paulo - O Estado de S. Paulo - O Globo - UOL
Publicado em 07/12/2017

O Copom (Comitê de Política Monetária), do Banco Central, decidiu cortar a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual. Com isso, a Selic chega a 7% ao ano, o menor patamar já registrado. Foi a décima redução seguida da taxa. A decisão, unânime, veio em linha com a expectativa do mercado. A queda de 0,5 ponto indica um novo ritmo do Banco Central — o último corte, em outubro, havia sido de 0,75. O Copom sinalizou que nova redução, em fevereiro, deverá ser feita em um ritmo menor e está atrelada à aprovação de reformas, em especial a da Previdência. Apesar da mínima histórica, os juros médios cobrados pelos bancos seguem distantes de seus menores níveis. O aumento do calote em decorrência da recessão é o principal argumento para justificar as taxas. Especialistas contestam e culpam a concentração do setor bancário no país. (Folha de S. Paulo)

Juros caem para 7%, menor índice da história

O Banco Central reduziu ontem a taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, para 7%, menor patamar da história. É o décimo corte consecutivo da taxa de juros. Nova queda, para 6,75%, pode ser anunciada em fevereiro, mas o BC deixou claro em comunicado que isso depende da aprovação da reforma da Previdência. Com o corte de ontem, a rentabilidade de boa parte dos ativos de renda fixa passou a ficar parecida com a da poupança. Celso Ming escreve que juros a 7% ao ano, quem diria... É o mais baixo desde 1999. O mergulho de 14,25% para 7,0% levou apenas 13 meses. É um tombo de grandes proporções em período curto. (O Estado de S. Paulo)

Confira como ficam os juros ao consumidor com o juro básico a 7%

A redução em 0,50 ponto percentual no juro básico (Selic), para 7% ao ano, deve causar alívio ao bolso do consumidor, se as instituições financeiras repassarem a queda para as taxas cobradas nas operações de crédito no país.
Cálculos da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) apontam que a taxa média mensal pode recuar de 7,44% para 7,40%.

Abaixo, veja simulações feitas pela Anefac para a Selic a 7% nas operações de crédito.

TAXA DE JUROS PARA PESSOA FÍSICA
Linha de crédito taxa ao mês considerando Selic de 7%
Juros comércio 5,52%
Cartão de crédito 12,80%
Cheque especial 12,14%
CDC (bancos) para financiamento de automóveis 2,03%
Empréstimo pessoal (bancos) 4,24%
Empréstimo pessoal (financeiras) 7,66%
Taxa média 7,40%
FONTE: UOL.

Governo diz já ter apoio para votar Previdência

O Planalto avalia que já tem apoio para colocar a reforma da Previdência em votação na Câmara, mesmo que ainda não reúna os 308 votos necessários para aprová-la. Após PMDB e PTB fecharem questão a favor do projeto, a ideia é iniciar as discussões em plenário já na semana que vem. (O Globo)

Temer acena com mais verba para reforma da Previdência avançar

Congresso votou projetos com impacto de R$ 30 bi nas contas públicas e negocia R$ 3 bi em emendas; PMDB e PTB vão obrigar deputados a votar mudança na aposentadoria. Em busca de apoio para aprovar a reforma da Previdência, o Palácio do Planalto deu aval para Câmara e Senado votarem ontem à noite projetos que terão impacto de R$ 30,2 bilhões nas contas públicas ao longo de 15 anos. Foram aprovados novos programas de parcelamento de dívidas do Simples Nacional e de débitos de produtores com o Funrural, compensação financeira a Estados pelas perdas com a Lei Kandir e Proposta de Emenda à Constituição que eleva o porcentual de recursos recolhidos para a União que serão destinados aos municípios. Deputados e senadores agora tentam negociar com o Planalto mais R$ 3 bilhões para as emendas de bancada em 2018, o que elevaria automaticamente os recursos do Fundo Eleitoral. O presidente Michel Temer pediu à equipe econômica que faça cálculos sobre remanejamentos no Orçamento. A negociação é vista como cartada decisiva para a aprovação da reforma. PMDB e PTB vão obrigar seus 76 deputados a votar a favor da proposta. (O Estado de S. Paulo)

Novo sistema de governo em debate

Começou a ganhar forma, em reuniões de Temer com Gilmar Mendes, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira, o projeto de mudar o sistema de governo para o semipresidencialismo. O texto, ainda preliminar, prevê o cargo de primeiro-ministro. (O Globo)

Governador de Minas vira réu por corrupção e fica no cargo

Fernando Pimentel (PT) é acusado de favorecer a Odebrecht em troca de vantagens indevidas quando foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, na gestão Dilma Rousseff. Ele, porém, não será afastado do governo de Minas Gerais. Os dez ministros do STJ que votaram entenderam que os fatos não têm relação com a atual função de Pimentel. (O Estado de S. Paulo)

Governador de Minas se torna réu, mas não é tirado do cargo

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), tornou-se réu sob acusação de corrupção passiva. O Superior Tribunal de Justiça acolheu a denúncia da Procuradoria, mas o manteve no cargo por entender que não há justificativa para o afastamento, como tentativa de obstruir a Justiça. A defesa diz ter provas favoráveis a Pimentel que serão levadas ao STJ. (Folha de S. Paulo)

Tiririca afirma: vai deixar a política

Eleito duas vezes deputado com o mote “pior que está não fica”, Tiririca subiu à tribuna da Câmara para dizer que não tentará se reeleger em 2018. (O Estado de S. Paulo)

Supremo deve votar hoje se PF pode negociar delações

Ministros do STF devem decidir hoje se a Polícia Federal tem competência para conduzir delações premiadas, independentemente da participação do Ministério Público Federal. A decisão servirá como base para a homologação dos acordos de Duda Mendonça e Marcos Valério, feitos com a PF, e pode impulsionar novas negociações, como a de Antonio Palocci. (O Estado de S. Paulo)

PF leva reitor da UFMG para depor em investigação

O reitor e o vice da Universidade Federal de MG foram levados para prestar depoimento em operação da PF que apura suposto desvio de verba — eles não comentaram. Entidades criticaram a ação e lembraram caso ocorrido em SC, onde um reitor cometeu suicídio após ser detido em apuração. (Folha de S. Paulo)

O traficante e eu

Após prisão, policiais postam em redes sociais selfies com o bandido mais procurado do Rio. Preso ontem de manhã após uma caçada que durou quase três meses, Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, chefe do tráfico de drogas na Rocinha, foi a estrela das selfies postadas nas redes sociais por policiais que o capturaram. Nem o delegado Gabriel Ferrando, que comandou a operação que localizou o bandido em uma casa na Favela do Arará, em Benfica, resistiu: ele fez pelo menos duas fotos com o bandido mais procurado do Rio. A atitude dos agentes será avaliada pela Corregedoria da Polícia Civil. No período em que esteve foragido, Rogério 157 começou a mudar a fisionomia e a apagar tatuagens. Com sua prisão, teme-se que duas facções iniciem uma nova disputa pelo controle do tráfico na Rocinha, que, segundo investigadores, movimenta cerca de R$ 10 milhões por mês. (O Globo)

Polícia mostra que não perde chance de fazer bobagem

A polícia não perde chance de fazer bobagem. Num dia que lhe deveria ser favorável, teve de explicar o comportamento sem noção de agentes sorridentes em selfies com Rogério 157, que também aparece rindo em uma, como numa reunião de amigos, escreve Marco Aurélio Canônico. (Folha de S. Paulo)

Traficante Rogério 157, pivô de guerra na Rocinha, é preso

Criminoso mais procurado do Rio e pivô da recente guerra na Rocinha, Rogério da Silva, o Rogério 157, foi preso ontem. A captura ocorre após disputa pelo controle do tráfico que deixou 20 mortos e 14 feridos desde setembro. Forças de segurança, porém, admitem que a prisão não garante estabilidade na favela. (Folha de S. Paulo)

157 é preso e policiais fazem até selfies

Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, criminoso mais procurado do Rio, foi preso ontem na favela do Arará, zona norte da cidade. Desde setembro, ele disputa o comando da Rocinha com Antônio Bonfim Lopes, o Nem. Vinte pessoas já morreram na guerra do tráfico. A operação que terminou com a prisão do criminoso contou com 2,9 mil homens das Forças Armadas e das Polícias Civil, Militar e Federal. Rogério não resistiu à prisão, mas teria tentado subornar os oficiais. Policiais, incluindo um delegado, fizeram fotos e até selfies com o bandido. (O Estado de S. Paulo)

Autoridades cobram recursos para segurança

No primeiro dia do seminário “Reage, Rio!”, o diretor de Combate à Corrupção da Polícia Federal, Eugênio Ricas, o secretário de Segurança, Roberto Sá, e o delegado da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barbosa, cobraram mais recursos para o combate ao crime. Juiz da Vara de Execuções Penais, Rafael Estrela Nóbrega defendeu que a sociedade repense a ressocialização dos presos. Ele também sugeriu parcerias público-privadas na gestão de presídios. No painel sobre ética, a conclusão foi que as eleições do ano que vem podem iniciar a renovação política. (O Globo)

Polêmica ameaça atrasar mudanças

Educadores estão preocupados com o risco de que polêmicas sobre detalhes atrasem a aprovação da Base Nacional Comum Curricular do ensino infantil e fundamental, que tem mudanças importantes. (O Globo)

Decisão de Trump sobre Jerusalém isola os EUA

Líderes mundiais criticam reconhecimento de cidade como capital de Israel. Países pedem reunião à ONU; para Hamas, presidente americano ‘abriu as portas do inferno’. A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e mudar a embaixada americana para a cidade desencadeou uma onda de críticas na comunidade internacional e protestos nas ruas no Oriente Médio. Líderes aliados como a alemã Angela Merkel, o francês Emmanuel Macron e a britânica Theresa May condenaram a iniciativa. O Papa Francisco fez um “apelo desesperado” para que o status quo da cidade não fosse modificado, escreve O Globo. O presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse que Trump descartou mediar o conflito com Israel. Para o Hamas, ele “abriu as portas do inferno” para os EUA.

Palestinos reagem a ato dos EUA sobre Jerusalém

O presidente Donald Trump mudou política adotada há décadas pelos EUA e anunciou a transferência da Embaixada dos EUA de Tel-Aviv para Jerusalém. Para líderes palestinos, o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel representa declaração de guerra contra muçulmanos, que levará a conflitos intermináveis e destruirá as chances de criação de dois Estados para solucionar o conflito palestino-israelense. (O Estado de S. Paulo)

EUA reconhecem Jerusalém como a capital israelense

O presidente Donald Trump anunciou ontem que os EUA passam a reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, revertendo quase sete décadas de política externa americana. Estima-se que a transferência da embaixada, hoje em Tel Aviv, leve anos.