Opinião

"Fernando Haddad hostiliza imprensa por não admitir crítica"

Editor-executivo da Folha rebate ataque à imprensa feito pelo ex-prefeito Fernando Haddad em texto na "piauí", revista que recusou publicar esta resposta em sua versão impressa. Um artigo que amplia o conhecimento sobre jornalismo.

<b>Reprodução</b> Fernando Haddad
Reprodução Fernando Haddad
Por Sérgio Dávila - Folha de S. Paulo - Ilustrísssima
Publicado em 12/11/2017

Autor afirma que petista foi paparicado pelos jornalistas, mas reclama dos veículos de comunicação por não admitir crítica, própria ou dos outros.

*

Na piada comunista dos anos 1970, um companheiro encontra o outro na rua e diz: "Que coincidência! Ontem mesmo eu fiz a sua autocrítica...".

Na edição de junho da revista "piauí", o ex-prefeito Fernando Haddad publicou texto em que se arriscava, pela primeira vez, a fazer um balanço mais amplo de sua gestão à frente de São Paulo (2013-16).

No ano passado, o petista concorreu à reeleição e perdeu para o tucano João Doria. Foi a única ocasião na história paulistana, desde a introdução dos dois turnos no processo eleitoral, em que o pleito se decidiu já na primeira rodada.

Num texto intitulado "Vivi na pele o que aprendi nos livros", em 76.377 caracteres com espaços, o equivalente a um pequeno livro, Haddad parece atribuir sua derrota a um cesto de culpados no qual ele junta a ex-presidente e companheira de partido Dilma Rousseff, a direita (a neoliberal e a protofascista), a imprensa, o Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministério Público do Estado de São Paulo, o Movimento Passe Livre (MPL), o PMDB e o patrimonialismo.

Na última coluna do artigo, na verdade um condensado de uma série de depoimentos que concedeu ao repórter Ivan Marsiglia, o petista diz: "Quando jornalistas me perguntam a que atribuo minha derrota em 2 de outubro de 2016, contenho o riso e asseguro: 'Faltou comunicação'".

É o máximo de autocrítica que se dispõe a fazer, ainda assim embrulhada em ironia.

A interpretação que o ex-prefeito faz da realidade econômica do período levou Marcos Lisboa a escrever uma réplica, "Outra história", que a "piauí" publicou duas edições depois. Nela, o economista, presidente do Insper e colunista da Folha argumentava que era pouco dizer que o PT subestimou o patrimonialismo, como escreveu Haddad.

"A política econômica heterodoxa adotada no segundo mandato de Lula reforçou (ênfase no reforçou) o patrimonialismo", afirmou Lisboa.

O texto ensejou uma resposta de Haddad na edição seguinte (mais 26.383 caracteres com espaços) e nova réplica de Lisboa, no volume do mês passado. Eles não comentam, ou comentam apenas lateralmente, a avaliação que o político fez da imprensa em seu artigo original, o que nos traz a este texto. Uma versão dele foi submetida à direção da "piauí", que recusou sua publicação na edição impressa da revista de novembro.

RECLAMAÇÕES

Fernando Haddad reclama do jornalismo. Diz que falta regulação de mercado, que os meios de comunicação funcionam como oligopólio do ponto de vista econômico e como monopólio do ponto de vista político. Que são geridos por famílias que pensam da mesma forma e têm a mesma agenda para o país, "com variações mínimas".

Diz que a abordagem dos grupos Abril, Folha e Globo em relação à administração dele oscilou da indiferença à tentativa de desconstrução de suas políticas públicas. E reclama do que chama de "segunda divisão dos meios de comunicação", em que põe, entre outros, os programas popularescos televisivos vespertinos e os talk shows de rádio, no que pode ter certa razão.

Tudo isso poderia não passar de desopilação do fígado de alguém que acabara de ser atropelado na corrida eleitoral. Mas a relação de Haddad com crítica, autocrítica, imprensa e os fatos ganha relevância porque ele é levado em conta como plano B do PT para 2018 caso Lula esteja juridicamente impedido de concorrer à Presidência —ou preso.

Fernando Haddad reclama do jornalismo porque não admite crítica (própria ou dos outros). Ele deve ter sido o prefeito mais paparicado por jornalistas em toda a história de São Paulo.

 

Isso tem explicação num motivo simples: em seus quatro anos no comando da cidade, o petista governou para uma jovem elite intelectual progressista de esquerda. As Redações são formadas em sua maioria por uma elite intelectual de jovens progressistas de esquerda.

Posso falar com mais embasamento desta Folha. Em 2014, no segundo ano de governo Haddad, censo interno realizado pelo Datafolha atestou que 55% dos jornalistas da casa se consideravam de esquerda, e 23%, de centro. Indagados sobre como situavam o próprio jornal, 50% o colocavam no centro, e 30%, na esquerda.

A maioria adotava posição liberal em relação a aborto, direitos homossexuais e drogas, em números eloquentemente superiores aos da população brasileira como um todo: 82% a favor da descriminalização da maconha e 96% a favor da união civil entre homossexuais, ante 77% e 39% dos brasileiros, respectivamente. Naquela ocasião, outubro de 2014, foram ouvidos 321 profissionais, numa pesquisa com margem de erro de dois pontos percentuais.

Por causa dessas características, encontrou terreno fértil nas Redações a agenda "São Paulo, Nova Amsterdã" de Fernando Haddad. Esta teve no biciclecentrismo das ciclofaixas e ciclovias, na valorização do centro pela via da cultura alternativa, na diminuição da velocidade máxima das ruas e avenidas, no pagamento de salário a usuários de crack como tentativa de recuperação e na abertura da Paulista para os pedestres aos domingos suas bandeiras mais visíveis.

REPORTAGENS

O resultado era palpável nas páginas do jornal, por mais que os profissionais se empenhassem em fazer valer o princípio de apartidarismo que é pilar do Projeto Editorial da Folha. Levantamento feito pelo Banco de Dados em agosto de 2017 dá conta da distorção.

Comparou-se a cobertura da Folha dos seis primeiros meses da gestão de Fernando Haddad com a cobertura de igual período da administração João Doria. Em seu semestre inicial, o petista teve 619 menções no jornal. Delas, 443 podem ser consideradas de efeito neutro (72%), 83 de efeito positivo (13%) e 93 (15%) de efeito negativo. O tucano, por sua vez, teve 1.027 menções em seus 180 dias inaugurais, das quais 683 (67%) neutras, 54 (5%) positivas e 290 (28%) negativas.

Primeiro, percebe-se como João Doria é de fato um prefeito mais midiático —tem quase o dobro das citações. Isso se explica principalmente, mas não só, pelo fator eleitoral. O tucano é presidenciável desde o primeiro dia no cargo e cumpre agenda de candidato; o petista restringia sua atuação ao gabinete e não explicitava pretensões futuras, além da reeleição.

Depois, à parte a dominância bem-vinda dos índices de neutralidade em um caso e outro (72% para Haddad e 67% para Doria), impressiona como os percentuais de menções negativas e positivas se invertem: a proporção de textos de leitura negativa em relação ao tucano (28%) é quase o dobro da do petista (15%), enquanto a proporção de textos de leitura positiva em relação ao petista (13%) é quase o triplo da do tucano (5%).

A ironia é que a agenda que conquistou para o prefeito a simpatia do reportariado acabou custando a ele os votos da periferia e da franja do centro expandido de São Paulo, sem os quais não se vencem eleições nem se chega ao segundo turno.

 

No dia 2 de outubro de 2016, João Doria teve 53,3% dos votos, ou 3,1 milhões de eleitores, contra 16,7% de Haddad, ou 967 mil eleitores. Com um discurso ao mesmo tempo de "gestor" e de "não político", o tucano conquistou todas as zonas eleitorais da cidade, à exceção de duas —Marta Suplicy, ex-companheira de partido do petista e agora no PMDB do presidente Michel Temer, foi a preferida do eleitorado de Parelheiros e Grajaú, no extremo sul. Haddad não venceu em nenhuma, de um total de 58.

Para "adicionar insulto à injúria", como na expressão em inglês, Haddad era o incumbente, tinha a máquina à sua disposição. Quatro anos antes, derrotara o tucano José Serra em segundo turno com 3,4 milhões de votos. Estava no Partido dos Trabalhadores e perdeu para um membro da ultraelite paulistana que se vendeu na campanha como o "João trabalhador", alguém que passou dificuldades. E onde Doria não venceu ganhou Marta, com quem Haddad disputa a autoria intelectual dos CEUs (centros educacionais unificados).

Foi o 7 a 1 petista.

OLHOS NA ELITE

Quem prestasse atenção às oscilações de popularidade da gestão Haddad não se surpreenderia.

Segundo acompanhamento do Datafolha, ao longo dos quatro anos, enquanto a linha de aprovação despenca da alta inicial, a de reprovação dispara. Em pesquisa feita no início de junho de 2013, o petista tinha 34% de ótimo/bom (o melhor desempenho de um prefeito de São Paulo nesse período) e 21% de ruim/péssimo. Em 21 de setembro de 2016, nas vésperas do pleito, houve uma inversão: o índice positivo tinha ido a 18%, e o negativo, a 40%.

Em conversa com um dirigente estadual petista que prefere não ser identificado, fiz a pergunta da qual o ex-prefeito caçoa em seu artigo na "piauí" —por que, afinal, Haddad perdeu? Ouvi uma resposta que ecoava argumentos utilizados por outros petistas: porque governou para a elite progressista e não deu a atenção devida à periferia. Segundo esse dirigente, o programa histórico do PT são as políticas sociais de inclusão; quando Haddad finalmente saiu do gabinete, a periferia não o conhecia.

De acordo com outro dirigente paulista, o ex-prefeito esperava que movimentos sociais como o do passe livre (MPL), um dos motores dos protestos de junho de 2013, caíssem no colo dele por gravidade. Não só não caíram como foram bastante críticos ao então prefeito quando da decisão de aumentar a tarifa do transporte público.

ATAQUES À IMPRENSA

Em seu primeiro texto na "piauí", ao fazer uma avaliação da direita mundial e brasileira, Haddad escreve que temas regressivos foram insuflados no debate nacional e que um movimento semelhante ocorreu com a imprensa. "Curiosamente, o veículo que mais respaldou essa pauta foi aquele de quem menos se esperava uma aproximação com o obscurantismo: o jornal Folha de S.Paulo".

Sua evidência principal para afirmação tão peremptória teria sido a adoção pelo jornal da expressão "kit gay", que ele atribui à bancada evangélica do Congresso. "Kit gay" é o nome pejorativo que se deu tanto a uma iniciativa do Ministério da Educação em 2011, quando Haddad era o titular da pasta, como a um material do Ministério de Saúde destinado a caminhoneiros e prostitutas em estradas na mesma época.

Não é verdade que o jornal tenha adotado a expressão; os arquivos mostram que a reproduzia quando constava da fala de alguém ou para efeitos didáticos, com qualificativos como "o chamado 'kit gay'", "apelidado erroneamente de 'kit gay'" etc.

Em outro trecho, Haddad relaciona a cobertura do jornal aos percalços da iniciativa que implantou na cracolândia. "Não exagero em afirmar que o fim do programa De Braços Abertos é, em grande parte, resultado do tipo de cobertura da Folha". Segundo o petista, a publicação de uma avaliação externa positiva do programa, feita pela fundação Open Society, do milionário George Soros, só saiu após semanas de negociação.

De fato, sua assessoria encaminhou o trabalho ao jornal em 25 de agosto de 2016. Uma semana antes, no entanto, o estudo já tinha sido tema de uma cobertura especial sobre aquela região da cidade. Ainda assim, novo texto sobre o tema foi publicado poucos dias depois.

No período em que foi prefeito, Haddad concedeu pelo menos 11 longas entrevistas e escreveu cinco artigos para a Folha, que na peça da "piauí" ele define estar "sob o manto moderno do pluralismo, uma pretensa marca". Seus assessores e secretários escreveram outros tantos.

Pouco antes de deixar o cargo, ele foi convidado a assinar uma coluna semanal na página 2 do primeiro caderno da Folha, espaço um dia ocupado pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva e que hoje tem em Nabil Bonduki, ex-secretário de Cultura do próprio Haddad, um dos titulares. O então prefeito aceitou, ficando acertado que começaria depois de uma quarentena pós-governo.

OBSCURANTISMO

No meio daquela negociação, em dezembro passado, tive um exemplo da pele surpreendentemente fina de Haddad, sendo ele um político. No dia 3 de janeiro, ele me ligou para dizer que não seria mais possível ter uma coluna no jornal.

O motivo alegado —segundo ele, "a gota de água"— era fútil: não gostou da edição de uma entrevista que deu à Folha e que foi publicada no dia 25 de dezembro. Nela, o editor do caderno "Cotidiano" e dois repórteres fazem perguntas pertinentes e simplesmente as reproduzem, para que o leitor tire suas próprias conclusões. As questões e respostas iniciais:

—No último Datafolha, segundo a opinião do paulistano, o senhor teve nota 3,9.

—Não falarei de Datafolha, desculpa.

—Onde o senhor errou, o que poderia ter feito de diferente?

—Não falo disso, desculpe.

—Mas é a nota da população.

—Tá bom, não vou comentar isso, é um direito que tenho.

—Mas o sr. pode dizer onde errou? O sr. perdeu a eleição no primeiro turno [para Doria].

—O que estou disposto a falar é sobre as realizações do governo, o legado. Se for isso, bem, continuamos.

—Mas podemos fazer perguntas.

—Sim, mas posso declinar.

Haddad reclama dos monopólios econômicos de mídia e diz faltar regulação no Brasil. A Folha denuncia o fato em seus editoriais há décadas. Para ficar em dois dos mais recentes: "Um modelo distorcido de distribuição de concessões, usadas como moeda de troca fisiológica, tem conferido a políticos e grupos privados o controle de meios de comunicação não raro usados como canais de propaganda e autopromoção" (2011); "A adoção de regras para evitar que se formem monopólios nos meios de comunicação é mecanismo reconhecido em países democráticos" (2012).

Mas o ex-prefeito não atualiza seu alvo. Sim, os meios de comunicação estão nas mãos de poucas famílias: são seis, as famílias Zuckerberg (Facebook), Brin e Page (Google), Bezos (Amazon), Gates (Microsoft) e Jobs (Apple). Seu alcance é global, e sua influência, irresistível.

Para ficar apenas no duopólio Google/Facebook, que também possui, entre outras, as subsidiárias WhatsApp, YouTube, Instagram e Waze: ele detém 20% da publicidade mundial e 60% da publicidade digital norte-americana.

No Brasil, estima-se que a dupla de gigantes, apesar de não revelar números, já seja o segundo maior grupo de mídia, com cerca de R$ 11 bilhões de faturamento, atrás apenas da Globo, com R$ 16 bilhões. Não há campanha política bem-sucedida ou governo eleito sem passar pelo filtro desses atores.

Filtro viciado, manipulável e incubador de posições intolerantes, como se viu com a proliferação das fake news e seus efeitos nas eleições presidenciais norte-americanas, que levaram à vitória de Donald Trump, e na decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, o "brexit".

Desqualificar o jornalismo profissional, praticado por veículos como a Folha, é —isso sim— aproximar-se do obscurantismo.

SÉRGIO DÁVILA, 52, é editor-executivo da Folha de S. Paulo e autor dos livros "Nova York - Antes e Depois do Atentado" (Geração) e "Diário de Bagdá - A Guerra do Iraque Segundo os Bombardeados" (DBA).